Criar um Site Grátis Fantástico
O CURRICULUM DE FORMAÇÃO DO ATLETA DE FUTEBOL
O CURRICULUM DE FORMAÇÃO DO ATLETA DE FUTEBOL

 

“Saber o que ensinar e desenvolver, do sub-11 ao sub-20, é papel dos profissionais das categorias de base.”

 

O nosso futebol passa por um gradativo processo de profissionalização. As mudanças na Lei Pelé, que privilegiam o clube formador, como por exemplo, o direito da verba de solidariedade inclusive para transferências nacionais, são indicativos de que a formação do atleta brasileiro está sendo redimensionada e que a devida importância lhe está sendo conferida.

É certo, também, que os futuros craques do Brasil, em cinco, sete, 10, 12 anos, hoje estão nas categorias de base dos milhares de clubes existentes no país e que será insignificante a quantidade de atletas que sairão direto dos campos de várzea para o alto nível profissional.

Sob este viés, a gestão integrada da base será pré requisito para que, após os oito a 10 anos de processo de formação de uma determinada categoria, a quantidade de atletas de alta performance seja satisfatória. Além disso, a comunicação entre todas as comissões técnicas dos clubes deverá ser constante no que tange a definição dos pontos fortes e fracos de cada atleta e equipe ao longo dos anos, para nortear as decisões estratégicas, técnicas e administrativas da empresa.

O grande diferencial do trabalho de campo diante dessa nova perspectiva deve ser o desenvolvimento, por parte de cada clube de base, do currículo de formação do atleta de futebol. Nele, cada instituição pode definir os perfis dos atletas que pretendem formar e quais serão os conteúdos ensinados para que os diferentes perfis sejam alcançados.

Entretanto, conforme foi citado anteriormente, a profissionalização do futebol brasileiro é gradativa, logo, a gestão integrada da base, que é fundamental para modificações sensíveis nos corpos técnicos de cada clube (com profissionais competentes e capacitados continuamente), ainda é considerada utópica. Então, se a grande parcela dos gestores não está preparada para o “novo” futebol, qual é o papel de cada profissional inserido (ou que pretende se inserir) no mercado em quaisquer clubes, nas categorias de base, dentre os milhares existentes no Brasil?

O papel de cada um desses profissionais é buscar a elaboração e aplicação de um currículo do atleta. Assim como todo curso profissionalizante, graduação, ensino técnico, médio, supletivo, entre outros, existem conteúdos (disciplinas) que cada atleta deve aprender (de maneira circunscrita ao jogo) para se tornar um grande jogador de futebol.

Além da falta de conhecimento técnico da gestão, outros fatores já conhecidos por quem vive o “ambiente do futebol” podem ser apontados como limitantes para a elaboração do referido material. São eles:

• Falta de comunicação intra comissão técnica, em que predominam preocupações com os fragmentos do jogo em relação ao “todo” da equipe (e jogo);

• Falta de comunicação inter comissões técnicas, em que o treinador do sub-15 pouco se importa com o que está acontecendo no sub-17, nunca assistiu a um jogo do sub-14 e, talvez, nem saiba o nome do técnico do sub-11;

• Ausência de um ambiente de discussões e aprendizagem oferecido pelo clube;

• Futebol profissional desvinculado das categorias de base, em que os treinadores e dirigentes do departamento profissional optam por negociações intermediadas por agentes em detrimento dos atletas formados no clube.

• Lacunas nas idades do processo de formação com manutenção somente das categorias com competições oficiais;

• A pressão por vitórias a qualquer custo como “garantia” de permanência no cargo;

Neste cenário não muito animador, para muitos, “sobreviver” é o grande objetivo. E, seguramente, a sobrevivência não está garantida. Você pode ganhar todos os jogos e a diretoria, de uma hora para outra, ser modificada e você, demitido. Os patrocinadores que financiavam os custos da categoria de base podem abandonar o clube e você, por consequência, perder o emprego. Você pode ser preparador físico do sub-15 e, de repente, receber um convite para integrar a comissão sub-20 que durará somente enquanto houver vitórias. Porém, neste mesmo cenário instável, oportunidades positivas tendem a surgir.

Como, por exemplo, chegar ao clube em que você trabalha um gestor com conhecimento técnico suficiente (acredite que eles já existem!) para saber como um plano coerente de trabalho de formação a médio/longo prazo traz resultados (lucro) e sustentabilidade ao negócio. Esse gestor precisará de pessoas que ponham em prática tal plano de trabalho.

Cresce o número de profissionais do futebol que acreditam que a categoria de base é a grande responsável pelo nosso futuro no cenário futebolístico mundial. Você pode trabalhar ao lado de um destes e não ter ciência justamente por fazer somente a sua função de sobrevivência. Um dirigente (quem sabe um dia algum headhunter) pode procurá-lo para fazer-lhe uma proposta de trabalho por conhecer e acreditar no seu potencial profissional.

Nessa área de atuação, profissionais de destaque do mercado (salvo aqueles que dependem exclusivamente de indicação, amizade ou qualquer outra relação que, lembre-se, faz parte do cenário) devem saber tudo sobre a base, do sub-11 ao sub-20. Devem ter bem definidas quais são as competências necessárias para um jovem, captado do processo de iniciação esportiva e inserido nos processos de transição e especialização, se tornar atleta profissional.

Os primeiros passos são muito simples de serem executados. Uma reunião com sua comissão técnica pode se tornar uma hora de discussão semanal que tem como temática a formação do atleta. Num e-mail para os funcionários da base do clube pode constar um convite para a divulgação da ideia, pois com certeza algumas pessoas têm com o que contribuir. Uma conversa informal com um dos dirigentes do clube pode ser um ótimo momento para demonstrar sua opinião.

Se com esses passos você permanecer sozinho, mesmo assim avance em sua caminhada. Se mais pessoas aderirem à ideia, há um longo trabalho pela frente.

Como início, a definição de todos os conteúdos que um jogador (e equipe) precisa aprender (é bom lembrar que de forma circunscrita ao jogo) para se tornar atleta de alto nível. Marcação zonal, transição ofensiva, relação com a bola, pressing, ultrapassagem, zonas de risco, estratégias, tomada de decisão, lógica do jogo, plataformas, bolas paradas, regras de ação, são simples exemplos para ilustrar a infinidade de conhecimento que, indubitavelmente, precisa ser internalizado.

Após esta trabalhosa, porém, prazerosa definição, diversas reflexões surgirão, dentre elas:

• Qual a plataforma de jogo ideal para iniciar um processo de formação?

• Deve-se sempre utilizá-la durante todas as categorias?

• O zagueiro do sub-11 fará sempre a função de zagueiro ao longo da formação?

• Como classificar os diferentes tipos de jogos elaborados?

• Quando iniciar a aplicação da ultrapassagem?

• Quando iniciar a aplicação do pressing?

• Como definir qual linha de referência de marcação utilizar?

Não bastará definir os conteúdos! Saber distribuí-los em cada categoria, para assegurar que eles se encontram na zona de desenvolvimento proximal dos jogadores de determinada equipe e faixa etária, será fundamental para evitar equívocos.

O que você está esperando? Faça sua parte para que a transformação da base, impulsionada pelas tendências do mercado (Lei Pelé, conhecimento científico, esporte como negócio), beneficie a clubes, atletas e profissionais do futebol.

Para aqueles que acham que tudo isso é bobagem e que não há o que (re)inventar nas categorias de base no Brasil, cuidado: a transformação é inevitável! Para os que utilizam a famosa expressão “o futebol é assim”, ele (o futebol) não é! Já as pessoas…

A definição de oito grandes conteúdos, objetivando a excelência do processo de desenvolvimento de talentos
 

Há algumas semanas, foi proposta, aos profissionais das categorias de base, a iniciativa sobre o desenvolvimento do currículo de formação do atleta de futebol. Este material deve ser elaborado com o devido alinhamento à cultura e objetivos do clube e sua aplicação é pré-requisito para o desenvolvimento de um bom processo de formação diante das tendências do mercado.

Dias após a publicação da coluna, uma entrevista com Thiago Corrêa Duarte foi postada naUniversidade do Futebol e, dentre os temas discutidos, estava o D.O.M (Documento Orientador Metodológico). Thiago, coordenador técnico das categorias de base do Grêmio, é o responsável pela elaboração do material que tem como objetivo formar atletas de futebol, a partir da filosofia e cultura do clube, caracterizando o “Jogar ao Grêmio”.

Um grande clube do futebol brasileiro já é um ótimo exemplo por conter profissionais que estão se preparando e agindo diante do novo cenário futebolístico que se desenha. Os concorrentes (outros grandes clubes, times de menor expressão com tradição em categorias de base e clubes formadores emergentes) que não se adequarem a esta nova realidade correm sérios riscos de realizarem investimentos sem retorno e sustentabilidade no médio e longo prazo.

Ciente deste cenário e respeitando as limitações estruturais, financeiras, de recursos humanos, outrora comentados, a diretoria do Paulínia FC selecionou cinco profissionais, no ano de 2009, para o desenvolvimento do material denominado “Metodologia Futebol Arte”. Nele deveriam constar os conteúdos e temas relativos ao processo de formação do sub-11 ao sub-20.

Além de apontar os oito grandes conteúdos que compreendem o processo de formação, o objetivo da coluna desta semana é padronizar algumas linguagens que serão utilizadas em colunas futuras.

Antes de apresentá-los, porém, é necessária a divulgação do nome dos outros quatro profissionais que contribuíram na elaboração do referido material: Anderson Gôngora, Cristian Lizana, Erick Martins e Lucas Leonardo. Este último coordenou a produção, porém, atualmente não trabalha mais com futebol.

O tempo de início e conclusão do currículo foi de seis meses, sendo feitas três a quatro reuniões semanais de duas horas cada, com saudáveis (mas nem sempre amistosas) discussões baseadas em diversos autores que discorrem sobre o ensino dos JDC, complexidade, teoria dos jogos, além das opiniões e experiências dos integrantes do grupo e, eventualmente, dos demais profissionais do clube.

O primeiro conteúdo é a Lógica do Jogo, que norteia todo o processo de formação e que se subdivide nos seguintes temas:

• Abordar a Lógica do Jogo Formal;
• Aplicar a Lógica do Jogo Formal.

O segundo conteúdo compreende as Competências Essenciais do Jogo. Tais competências se manifestam em quaisquer jogos coletivos e quanto melhor a sua manifestação, melhor será o nível de jogo realizado. Subdivide-se em:

• Relação com a bola;
• Estruturação do espaço;
• Comunicação na ação (Leitura de Jogo).

As Referências do Jogo de Futebol fazem parte do terceiro conteúdo. Dominar as referências, de forma circunscrita ao jogo, contribui para a orientação de novas formas de cumprir a Lógica do Jogo. Este conteúdo contém como temas:

• Plataformas de Jogo;
• Referências Operacionais;
• Referências Espaciais;
• Referências Atitudinais.

O quarto conteúdo é composto pelo nível Estratégico-Tático do Jogo. A componente estratégica oferece aplicações pré-definidas pelo modelo de jogo e a componente tática, pelas emergências (problemas) do jogo e apresentam os temas abaixo:

• Estratégias ofensivas;
• Estratégias defensivas;
• Reposições de bola;
• Bolas Paradas;
• Meios Táticos.

O conteúdo seguinte é relativo às Funções no Jogo e apresenta como temas:

• Jogar em uma Posição;
• Cumprir outras Regras de Ação;
• Jogar em mais de uma Posição.

O sexto conteúdo denomina-se Relação com Companheiros e é desenvolvido em função da capacidade de jogo dos praticantes e tem como subdivisão os seguintes temas:

• Jogar em pequenos grupos (até 3 jogadores);
• Jogar em médios grupos (de 4 a 7 jogadores);
• Jogar em grandes grupos (mais de 8 jogadores).

Fisiologia e Saúde fazem parte do penúltimo conteúdo, que inclui:

• Conhecimento dos grupos musculares;
• Consciência corporal;
• Vivência em academia;
• Exercícios profiláticos.

O oitavo conteúdo é denominado Apoio Didático e é composto pelas atividades complementares extra-campo, de caráter técnico, para contribuição no processo de ensino-aprendizagem. Apresenta como temas:

• Palestras do Modelo de Jogo;
• Palestras de jogos profissionais;
• Palestras de jogos da própria equipe;
• Palestras de jogos do adversário.

Para todos estes temas (em outras colunas virão os sub-temas), estabeleceram-se “pesos” subjetivos, de 0 a 5, que foram distribuídos, para aplicação no processo de treinamento, entre todas as categorias do clube. Quanto maior o “peso”, maior a importância da aprendizagem do tema. Para alguns temas, a letra “X” substitui a presença do número indicando que determinado conteúdo já foi aprendido pela categoria. O número zero indica que determinado tema não deverá ser abordado.

Ainda sobre a interpretação do currículo, outro ponto é de fundamental importância e se refere às dimensões do aprendizado. Para isto, os termos “conhecer, vivenciar e aprender” correspondem aos primeiros contatos com cada tema e a abordagem do treinador deverá ser constante para assimilação dos objetivos propostos nas atividades. Realizado o contato inicial, a “aplicação” e “aperfeiçoamento” deverão ser observados para excelência e acomodação do aprendizado, inclusive quando determinado tema não for o objetivo específico da atividade. E, por último, “dominar” o tema com a maior competência possível na sua execução.

Para finalizar, é válido salientar que o currículo do Paulínia FC não é um documento fechado, pronto e que não receberá alterações. É apenas um material de desenvolvimento de um processo de formação que, com exceção do sétimo conteúdo, Fisiologia e Saúde, utiliza o “jogo” como método de ensino. Sua aplicabilidade (lembrando que tem somente um ano e meio de existência) está sendo observada para que adequações sejam feitas e possíveis equívocos, sanados. Outra consideração refere-se às limitações de toda a gestão que refletem com maior ou menor magnitude no trabalho de campo.

No entanto, não é possível aguardar o “mundo ideal” para serem dados os primeiros passos de uma longa e trabalhosa caminhada. Caminhada, em que muitas questões, acertos e erros serão discutidos com profissionais do futebol dispostos a compartilhar conhecimento.

Classificação dos diversos tipos de jogos no processo de treinamento das equipes de categorias de base
 

É consenso que o jogar de uma equipe é construído no dia-a-dia de treinamentos, porém, como construí-lo já não compreende uma opinião comum de todos os profissionais do futebol. No processo de ensino-aprendizagem, os treinamentos analítico, integrado ou sob uma perspectiva sistêmica dividem seus seguidores de acordo com o olhar que cada um tem sobre a modalidade.

Pensando o futebol em sua totalidade e os treinamentos em função do jogo que se quer jogar, o currículo de formação já apresentado em colunas anteriores divide cada jogo (treino) em quatro diferentes classificações de acordo com a lógica do jogo de futebol.

A primeira, denominada jogo conceitual, apresenta dimensões distintas das oficiais, número de jogadores (ou até mesmo de equipes) diferentes e alvos em maior, menor ou igual quantidade em relação ao futebol formal. A manipulação destas variáveis, além das regras do jogo, permite a criação de infinitas atividades para aprendizagem, aperfeiçoamento ou domínio de determinado conceito.

As figuras abaixo ilustram alguns exemplos dos elementos que constituem os jogos conceituais:





Diversas regras podem ser utilizadas nos jogos acima, entre elas: tempo para recuperar a posse, tempo para ultrapassar o meio-campo, tempo para finalizar, limitação de toques, passes errados, drible obrigatório, utilização de perna não dominante, não devolver para o mesmo jogador que fez o último passe, quantidade mínima de passes para finalizar, quantidade máxima de toques para finalizar, setor de recuperação da posse, quantidade mínima de jogadores atrás da linha da bola, defesa completa do goleiro, etc.

Para todas as regras e pontuações que compuserem um determinado jogo, logo, para cada jogo, uma nova lógica interna existirá e que poderá estar muito próxima ou muito distante da lógica do jogo de futebol.

A segunda classificação se refere aos jogos conceituais em ambiente específico, com a mesma possibilidade de intervenções, respeitando o espaço formal de jogo. Neles, mantém-se também a estrutura de alvo a atacar e a defender como podem ser vistas nas figuras abaixo:





Assim como na classificação anterior, as regras do jogo e as pontuações definirão o quanto o jogo criado se aproxima do futebol.

O terceiro tipo de jogo denomina-se jogo específico e assemelha-se ao conhecido “coletivo apronto”. Nestes jogos, com a presença das regras oficiais, observa-se a aplicação do Modelo de Jogo da equipe e a transferência das aprendizagens dos dois tipos de jogos anteriores. Há possibilidade de alterações de caráter estratégico e também de treinos com superioridade ou inferioridade numérica.

A última classificação abrange os jogos contextuais, que são jogos específicos pensados em função das características de jogo do próximo adversário. A plataforma, os comportamentos ofensivos, defensivos, de transições e as características dos jogadores em cada posição tentam ser simulados pela equipe reserva com o objetivo de se aproximar da realidade da competição.

Então, a partir dos quatro tipos de jogos descritos, quais fatores considerar na elaboração do planejamento de treinos de uma equipe? São eles:

- Faixa etária
- Dia da semana
- Nível de aplicação do Modelo de Jogo pretendido
- Competição
- Objetivos do clube

Não existe receita pronta da quantidade de cada tipo de jogo e as melhores combinações para determinada equipe. Esta trabalhosa tarefa deve ser coerentemente definida por todos os membros da comissão técnica a fim de que as demandas técnicas, táticas, físicas e emocionais da competição sejam suportadas e para que as respostas coletivas ideais de cada problema do jogo sejam aplicadas.

Por exemplo, quem trabalha com categorias de transição (sub-11, 12 e 13) deverá perceber qual tipo de jogo melhor se adequa à realidade da sua equipe. Em outra situação, numa categoria sub-20 na antevéspera de uma partida, deverá ser pensado qual o tipo de jogo e por quanto tempo será aplicado.

Outro exemplo, de acordo com o Modelo de Jogo pretendido numa equipe sub-17, em determinada fase do jogo, montar o treino que será mais eficaz para evolução do jogar da equipe. Há também a definição da 
atividade de acordo com a situação na competição e, ainda, o que o clube espera do elenco em questão.

Vale ressaltar que a correta distribuição destes jogos num processo de formação é somente uma das inúmeras variáveis que podem trazer resultado (lucro e sustentabilidade) em longo prazo para um clube. Como parte do currículo, os diferentes tipos de jogos estão sendo aplicados em cada categoria do Paulínia FC, considerando os fatores acima identificados.

Em colunas futuras, exemplos de jogos conceituais e jogos conceituais em ambiente específico serão apresentados para propor discussões teórico-práticas acerca do treinamento em futebol.

Treinamento este que, atualmente, é feito correndo em volta do campo, saltando, driblando cones, finalizando sem adversários para aperfeiçoar o gesto técnico; ou então, por meio de jogos reduzidos, de alta intensidade, em que o desenvolvimento da vertente física é a grande preocupação; e até mesmo, através de jogos que levem a performance da equipe ao utópico Modelo de Jogo da comissão técnica. Depende do olhar que cada um tem sobre a vida...

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
A PROCURA...
QUER TORNAR-SE UM JOGADOR DE FUTEBOL AGÊNCIADO?
SIM.
NÃO.
SIM, A DNA ESPORTE.
Ver Resultados

Rating: 3.5/5 (1368 votos)




ONLINE
4